Mercado Municipal de São Paulo

22 03 2010

Mercado Municipal de São Paulo

“Mercado Municipal de São Paulo”, foto by Luciana Muniz.

Frutas do Mercado Municipal de São Paulo

 





Ecoturismo Carnavalesco

19 02 2010

Que ziriguidum que nada! Carnaval é bom ou para viajar ou para descansar, mas em qual das duas opções apostar? Sempre apostei em descansar e organizar minha eterna bagunça, porém este ano foi diferente, resolvi apostar em algo digamos… mais emocionante…

Quer dizer que a “bonequinha delicada” vai fazer ecoturismo e esportes radicais?

Vai fazer não! Já fez!

Se valeu a pena?

Bem, acredito que uma imagem vale por mil palavras, confiram:


1º dia: Bóia Cross

O percurso é feito em grupos de quatro a seis pessoas, mais o instrutor. O objetivo é descer as corredeiras (nível leve) em cima de uma bóia.


Bóia-Cross

Momento de descanso antes de encarar as próximas corredeiras.


Bóia-Cross

Passando pelo rio


2º dia: Rafting

Aqui o objetivo muda um pouquinho, nada de individualidades. O que conta é o sincronismo dos remadores para executar os comandos e descer as corredeiras (nível leve e médio). Pisooooo! 😀


Rafting

Grito de Guerra: “Chá de Cogumelo!” (Não me perguntem como surgiu isso…)


Rafting

Preparados para a próxima corredeira.


3º dia: Arvorismo, Tirolesa e Rapel

O arvorismo consiste em chegar até a cachoeira roseira passando por diversos obstáculos, dentre eles treze atividades por cima das árvores, pequenos rios e mesmo cavalos correndo pelo campo. Em seguida vem a tirolesa e por ultimo o rapel com vista panorâmica para a cachoeira como recompensa.


Arvorismo

Arvorismo: A apressadinha de rosa lá na frente soy yo.



Rapel

Rapel: Descida pelo paredão antes de visualizar a cachoeira, tô de próxima!


Cachoeira Roseiral

Cachoeira Roseira: Enquanto eu descia de rapel vi um arco-íris!


4º dia: Eco-Tirolesa

O quarto dia foi um brinde bem vindo. Pelo cronograma da agência nossas atividades radicais tinham sido cumpridas, mas na fazenda onde ficamos havia a eco-tirolesa, uma tirolesa básica com direito a um “pseudo-mergulho” no lago.


Ecotirolesa

O instrutor apita e aguarda a resposta vinda do outro lado, é o sinal para ir em frente.


Ecotirolesa

Este é o lago, ponto final da eco-tirolesa


Depois da rodada de eco-tirolesa, ainda sobrou fôlego para uma voltinha no lago com o remo e a bóia usada no bóia-cross. Infelizmente não foi registrada esta parte porque lembrei da máquina fotográfica quando já estava na metade do lago. Os meninos ainda se aventuraram no caiaque.

O mais interessante após esta imersão no ecoturismo é que de volta à Sampa City os obstáculos “naturais”, criados pelas chuvas de verão aqui na cidade, ficam mais fáceis de aturar. :p





Sampa City

8 02 2010

Confesso que faço parte do time que larga o pau toda vez que chove e a cidade, já naturalmente insana, turbina seus índices de loucura e caos. Porém existem os dois lados da moeda. A relação atração/repulsão faz parte dos gostos refinados de todos os escorpianos, raça maldita à qual faço parte. Contudo não estou aqui para falar das diversas facetas dos escorpiões, isso fica para outro texto.

Estou aqui prá falar da cidade em que vivo, que venero e que odeio com igual intensidade. Aquela que defendo com unhas e dentes quando algum forasteiro fala mal e que enumero suas qualidades quando estou fora do seu domínio.

Com o tempo aprendi que o caos, o barulho e a correria fazem parte da sua grandiosidade, afinal de contas é impossível um gigante passar despercebido. E olhando com um pouco mais de atenção, dá para notar que não apenas o concreto e o cinza chuvoso fazem parte do seu cenário, também há espaço para as cores, o belo e o artístico.

Pensando nisso resolvi fotografar (amadoramente, é claro) as faces distraídas de Sampa City, lugares interessantes de visitar, conhecer, saber da história.

O primeiro cenário escolhido foi o Museu Paulista da USP, mais conhecido como Museu do Ipiranga, um lugar que frequento desde a infância. Com ele inauguro a série “Sampa City”, sempre com uma foto de um lugar interessante da cidade.

 

Museu do Ipiranga

“Museu do Ipiranga”, foto by Luciana Muniz.