A louca de hoje

16 02 2009

Dor. É a única coisa que eu sinto. Queria tanto uma beberagem mágica que fizesse a dor passar. Não a dor física, esta até me ajuda a perceber que ainda estou viva e que meu coração, apesar dos pesares, ainda bate no peito. Forte, intenso, profundo, agoniado, sufocado. Cansado, mas ainda relutante em ceder e me proporcionar a paz eterna.

Esta noite eu rezei como há muitos anos não rezava, desde que passei a não mais acreditar em crenças coletivas, moldadas por dogmas nos quais eu não acredito. Rezei para que algum mega cometa ou meteoro incandescente cruzasse a rota da Terra e acabasse com tudo, definitivamente.

Em meio às preces, imaginei uma garotinha esperando o sinal fechar para os carros para então, conduzida por sua mãe, atravessar a rua e continuar o caminho para a escola. No momento em que o sinal fechasse, o meteoro colidiria com nosso planeta e então tudo estaria acabado.

E eu teria feito um favor a ela se os Deuses tivessem ouvido as minhas preces.

Mas como o sol se ergueu no horizonte trazendo um novo dia, entendi que a prece de uma alma decepcionada com este mundo não foi suficiente para que os Deuses decidissem acabar com tudo.

Agora a garotinha vai crescer, vai se tornar uma mulher linda, inteligente e talentosa. Perfeito. Espero que ela consiga conviver com isso. Torcerei para que ela atinja o equilíbrio que eu persigo e que jamais alcanço. Desejo que o meio termo que satisfaz a todos possa satisfazê-la também.

Quando o dia de hoje ceder lugar a mais uma noite, mudarei os rumos das minhas preces. Rezarei para que ela jamais encontre em seu caminho pessoas que invejem suas qualidades e que queiram roubar para si a sorte destinada a ela.

Que jamais cruze seu olhar com alguém que enxergue apenas as curvas do seu corpo. Que seus amigos sejam realmente amigos e não pessoas interessadas em seu próprio prazer. Que ela jamais se depare com a podridão que exala das pessoas mal intencionadas, que se aproximam para machucá-la e deixá-la ainda mais triste.

Que ela possa sobreviver a esta selva de concreto, infestada de pessoas egoístas e hipócritas, que possa brilhar e ser feliz, apesar de tudo isso. Que o seu sucesso incomode mesmo, bastante, demais! Mas que ainda assim ela nunca deixe de ser quem ela é. Que seja fiel aos seus sentimentos, sejam eles nobres ou incontrolavelmente torturantes.

Que suas crises de pânico sirvam para deixá-la fortalecida, pois ela acabará entendendo que não adianta rezar para que tudo acabe. O mundo não parará de girar se ela sentir dor, se ela entender que a grande verdade a ser descoberta é que estamos neste mundo para termos nossas verdades testadas o tempo todo.

Não adianta rezar meu anjo, os Deuses estão surdos para nós. Não me odeie por desejar que tudo se acabe. Sou a louca de hoje, mas posso ser a sábia de amanhã.

Mulher de braços cruzados

“Femme aux bras croisés” (1901-02), de Pablo Picasso.

Anúncios

Acções

Information

8 responses

27 02 2009
Cesar Veneziani

Sua personagem pensou em um cometa, um meu em esterilidade coletiva!
Lindo texto…

1 03 2009
Mike

Just passing by.Btw, your website have great content!

_________________________________
Making Money $150 An Hour

1 03 2009
camilafernandes

“Torcerei para que ela atinja o equilíbrio que eu persigo e que jamais alcanço.”
Eu também, Lu. As duas coisas…
Esse texto fala muito de você, mas não só de você. De todos nós, acho. Me pegou de jeito.
Beijos…

2 03 2009
Eric Novello

Outro dia me peguei pensando algo parecido. Fiquei imaginando que se tivéssemos direito a escolher o alvo de um raio, só um que fosse, não sobraria muita gente no mundo né? Alguém certamente já teria me eletrocutado rs. Como não consegui acertar meu raio em ninguém e ninguém acertou em mim (pelo menos por enquanto), acabei descobrindo que o tempo é o melhor dos mestres. E cara, como o mundo dá voltas! Bjss e melhoras.

2 03 2009
Luciana Muniz

César,
Não resisti e mesmo sem pedir autorização coloquei o link do seu blog por aqui, afinal textos bons precisam ser lidos, não é mesmo? 😉

Mila,
Este texto é especial não só pelo drama do eu lírico, mas pelos desabafos que contém, afinal quem nunca desejou acabar com tudo? eu já… rsrs

Eric,
Concordo contigo! Se isso fosse realmente possível provavelmente eu não exibiria minha cutis branquíssima, já estaria chamuscada há tempos! hauhauhaua
(E também já teria “bronzeado” algumas pessoas, porque ninguém é de ferro hehehehe)

Bjitos,

Lu, com os impulsos homicidas já devidamente controlados.

13 03 2009
Mila

Loo, atualiza, sistah!
Ou passe lá no meu mocó virtual e confira, no novo post, que você não é doida sozinha. 😛

13 03 2009
O Auto das Normas Divinas « Cristina Lasaitis

[…] mesma) sobre o caso que deu o que falar. Economistas também têm coração. E também o ótimo texto da Luciana […]

14 03 2009
Cobbi

Olá Luciana,

Conheci seu blog pela Cris. Te coloquei no blogroll do Aprendiz e vou te acompanhar a partir de agora.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s




%d bloggers like this: