Nostalgia

25 02 2010

Escrita

Escrever é preciso. Para não enlouquecer, para refinar as idéias, para desabafar. Exercício altamente recomendado por psicanalistas aos seus pacientes e por professoras sensatas aos seus aluninhos.

Faço parte do segundo grupo, mantenho o hábito de escrever desde os primórdios. Comecei rabiscando as letras do alfabeto nos cadernos de receitas da minha mãe. Na época renderam muitas broncas, mas hoje ela guarda estes cadernos rabiscados como relíquia da minha infância.

Mais tarde encontrei no sótão um antigo livro de poesias do Castro Alves, obra completa. A menina de seus dez anos não entendia um terço do que lia naquelas páginas e ficava horas procurando o significado no dicionário. Depois reescrevia tudo com as palavras que compreendia.

Mas e as rimas?

Não importavam, o objetivo naquele momento era entender a mensagem do autor.

Depois vieram as recomendações de leitura da série Vagalume, foi quando conheci Marcos Rey e Pedro Bandeira. Agora não me contentava em apenas ler, tinha que eu mesma criar as minhas histórias mirabolantes e foi o que fiz aos doze anos.

Há pouco tempo encontrei todos os diários desta época e os originais do meu primeiro “romance”, se é que se pode chamar assim uma história fantasiosa de criança. Foi maravilhoso relembrar alguns momentos, pessoas que inspiraram meus primeiros personagens, links há muito esquecidos.

Um exercício saudável para reafirmar o poder da escrita, principalmente para os que também escrevem.

Por quê?

Mesmo após anos e anos, relendo os diários recordei cenas e momentos como se os tivesse revivido na mesma proporção.

Hoje os sentimentos expostos nos textos são diferentes, não mais verdadeiramente inocentes, sempre acompanhados de uma pitada de malícia ou alguma idéia implícita.

É o preço da vivência, do tempo que inexoravelmente passa, substituindo a ingenuidade pela palavra certa, afiada e premeditada para causar algum sentimento em quem lê.

Muitos chamam de técnica, eu de amadurecimento literário.

E assim, continuo exercitando, mesmo com textos que jamais serão lidos por outros olhos além dos meus. São textos que daqui a alguns anos proporcionarão outros momentos nostálgicos. E assim sucessivamente.

Anúncios




Quem és tu, ó criatura!

24 08 2008

Nunca tive dúvidas sobre quem sou, a Luciana Muniz, mulher, Analista de sistemas, apaixonada por literatura e que se orgulha de colecionar amizades dos tempos mais remotos de sua existência. Mas não sei dizer ao certo quem é a Luciana Muniz escritora.

Quando senti a necessidade de criar um novo blog, com mais recursos e conteúdo diversificado, me dei conta de que algo havia mudado no meu comportamento com a escrita. Já não havia mais espaço para as crônicas carregadas de sentimento, marca registrada do meu antigo blog, eu senti a necessidade de buscar assuntos diferentes para escrever e também lapidar a forma de escrevê-los.

Percebi nos momentos em que planejava este blog, que dentro de mim não há mais espaço para a escrita por prazer, por hobby. Esta fase já passou.

Mas daí surgem as divagações filosóficas e perturbadoramente essenciais para os que planejam seguir um novo caminho: sobre o que escrever?

Não, não é uma pergunta idiota. O que quero dizer é: em que gênero da literatura meus textos se encaixam? Nos projetos em que participei, já dá para se ter uma noção da diversidade: na antologia Soltando o Verbo contribuí com duas crônicas, a antologia Vampirus Brasil reuniu contos sobre vampiros, sob o gênero de terror. E o projeto AlgóriA, em que estou trabalhando, se encaixa no gênero fantasia.

Deu para entender a minha preocupação?

Por isso a idéia de criar este espaço, onde eu possa fazer experimentações tanto com contos quanto com crônicas, com temas variados. O próprio banner já traduz a minha intenção com a descrição “Contos, Crônicas e outras experimentações”. Não é uma frase engraçadinha para cativar leitores, tampouco estilo literário, apenas um aviso aos navegantes sobre o que encontrarão nestas páginas.

Por isso não se assuste de em um mês ler um conto com temática sobrenatural e no mês seguinte algo totalmente urbano, isso fatalmente acontecerá.

A proposta deste blog é que haja uma descoberta a cada novo texto. E o mais interessante é que esta “descoberta” será uma via de duas mãos, pois ocorrerá gradualmente para a autora e para os amigos e leitores. Talvez eu descubra que o ideal é justamente ser eclética nos assuntos abordados, não sei. De qualquer modo continuarei buscando a minha identidade como escritora, sempre me perguntando: quem és tu, ó criatura!





De casa nova!

10 08 2008

Após meses ensaiando a inauguração da “casa nova” aqui estou. Não. Não vou discursar com dedo em riste prometendo (e ainda mais em época de eleição!) que serei disciplinada e que postarei religiosamente neste espaço todos os dias. Mas para ser razoável, assumi o compromisso de, pelo menos, manter o ritmo de quando contribuía para o Soltando o Verbo e para o site Novas Visões, ou seja, uma crônica a cada quinze dias e um conto mensal, que tal?

Como dito no funeral do Shadow of the Moon, a idéia é continuar com as experimentações mirabolantes com as letrinhas, testando os limites da minha imaginação e entretendo os visitantes.

Sejam todos bem vindos! 😀