Conhece-te a ti mesmo

23 04 2012

Ruínas do Templo de Apolo em Delphos - Grécia

Ruínas do Templo de Apolo em Delphos – Grécia.

Os mistérios do universo sempre me fascinaram, sempre tive a curiosidade de saber os porquês dos porquês dos porquês e isso não deve ser à toa…

Então fui atrás da minha curiosidade, sempre guiada pela minha intuição. Li muitos livros, mas ainda sentia que lia e não entendia! A sensação de que as palavras eram literais me perturbava, foi quando li, não recordo o livro tampouco o autor, que o caminho que leva à consciência do universo é um caminho sem volta.

Sinceramente não compreendi o que isso significava, como sem volta?

Somente anos mais tarde me dei conta do seu real significado, principalmente quando li textos de Sócrates, o filósofo grego, onde ele citou sabiamente: CONHECE-TE A TI MESMO.

A meu ver esta frase é a chave para a compreensão de todo o universo!

Só conseguimos compreender as outras pessoas depois que aprendemos a nos conhecer, sem máscaras, sem ilusões. Quando aprendemos a enxergar sem medo nossas qualidades e defeitos, nossos sentimentos e desejos mais profundos, estamos aprendendo também a enxergar o próximo, porque o próximo também tem qualidades e defeitos, também anseia por algo, também sente medo.

Começamos aos poucos a enxergar o mundo à nossa volta e as pessoas que dele fazem parte, de outra forma, mais real, mágica! Aos poucos e naturalmente a sensibilidade vai aflorando até que sejamos capazes de compreender o real significado de um olhar, de uma palavra, um gesto.

É um caminho sem volta sim, pois toda a inocência é perdida, a realidade se mostra totalmente, às vezes de maneira cruel. Por um lado é muito bom, pois estaremos preparados para os acontecimentos, mas por outro… Às vezes é melhor não saber, não intuir e enxergar aquilo que gostaríamos que não fosse real.

Os inocentes são felizes, mas são cegos. Aqueles que conseguem enxergar além do superficial também são felizes, mas de uma felicidade sólida, com os pés fincados no chão, pois antes de tudo conhecem a si mesmos!

* Texto de 2005, época em que eu refletia muito sobre as questões universais e filosóficas, muito antes de me trancar tão profundamente por dentro. Saudades destas reflexões.





Aos 13 de Agosto

13 08 2010

Sexta-feira 13!

Acordou com azia. Mais um dia de trabalho. Aquela semana não acabava nunca? Chegou atrasado para a reunião de líderes, justo a que o diretor da sua área compareceria. Dez minutos antes, perdera a vaga para um engraçadinho que se fingiu de morto e estacionou primeiro. Ele teve o ímpeto de fazer o fingimento se tornar realidade, mas desistiu da idéia porque sabia que já estava atrasado e não queria se tornar um homicida e um desempregado no mesmo dia.

A reunião não poderia ter sido mais terrível, um verdadeiro show de horror, o diretor era tão polido quanto um mastodonte e (pior!) tinha a plena certeza de que era a versão melhorada de Maquiavel nos planos estratégicos. Lamentável…

Quando olhou no relógio já eram duas da tarde e nada dele poder sair para almoçar e respirar um pouco. Então, já que o almoço tinha ido para o espaço, resolveu sair tão logo as dezoito horas chegassem.

Anoitecia quando pisou na calçada, deu um longo suspiro. Que dia!

Manobrava o carro quando se deu conta de que havia esquecido o celular em sua mesa, voltou para buscar rapidamente.

Minutos depois, já cansado, entrou no carro e não percebeu que haviam aproveitado sua distração.

Parou no farol vermelho e ao olhar no espelho percebeu que não estava sozinho. A primeira reação foi de incredulidade, não entendia como alguém tinha entrado em seu carro.

Mas assim que sentiu o canivete em seu abdômen, se lembrou de que deixou a porta do carro destravada, confiante de que não demoraria na operação de ir e voltar.

– Entra à esquerda na próxima rua e nem um pio, senão te furo!

– Ca-calma… Já estou entrando… Mas é uma rua sem saída…

– É esta mesmo!

Chegando na ruazinha mal iluminada, agilmente escolhida pelo ladrão, sentiu que assim como o dia, a noite também seria longa. O larápio exigiu que ele saísse do carro e deixasse tudo, celular, carteira, documentos e até o paletó. Pensando bem, a gravata também era bonita…

Obedeceu a todas as exigências sem protesto algum, já tentando buscar na memória os números de telefone do seguro.

De tão obediente que fora, o ladrãozinho de voz fina desconfiou de suas intenções e tratou de retardar a sua busca por qualquer tipo de ajuda.

Saiu decidido do carro e então ele pôde ver que o assaltante era bem alto e corpulento, forte demais para uma briga justa, além de estar com um canivete.

Quando o assaltante saiu da viela com os pneus cantando, ele estava caído no chão com um corte não muito profundo na barriga, mas o suficiente para sangrar e apavorá-lo.

A dor muito fina que sentia foi suficiente para retardar o seu passo. Teve que quase se rastejar até a avenida mais próxima e implorar para que o ajudassem. Os transeuntes andavam apressados e não queriam se envolver. Só depois de quase meia hora uma senhora parou e o ajudou a chamar um táxi.

O caminho para o hospital foi um capítulo à parte. Os minutos não passavam e os segundos desfilavam vagarosamente pirracentos, gozando de sua dor. Suava frio. Perdia sangue. Estava exausto.

Quando enfim chegou ao hospital, foi medicado e levou os pontos necessários. Foi liberado em seguida, com uma receita repleta de remédios e recomendações.

Agora a segunda parte. Avisar a seguradora do roubo do automóvel e em seguida procurar uma delegacia para o boletim de ocorrência. Com a seguradora foi relativamente rápido, sem contar os quarenta e cinco minutos de espera ouvindo uma irritante musiquinha. Mas na delegacia… A espera foi grande, o delegado estava em uma mega operação para prender uma quadrilha de assaltantes que estava lhe tirando o sono desde Abril. Do ano retrasado.

Quando chegou em casa e finalmente foi dormir, eram exatamente vinte e três horas e cinqüenta e oito minutos. Foi então que se deu conta. Faltavam dois minutos para o seu aflitivo dia acabar. Era uma sexta-feira, 13 de Agosto.

***

Texto publicado originalmente no blog “Soltando o Verbo” e desempoeirado a pedidos.





Nostalgia

25 02 2010

Escrita

Escrever é preciso. Para não enlouquecer, para refinar as idéias, para desabafar. Exercício altamente recomendado por psicanalistas aos seus pacientes e por professoras sensatas aos seus aluninhos.

Faço parte do segundo grupo, mantenho o hábito de escrever desde os primórdios. Comecei rabiscando as letras do alfabeto nos cadernos de receitas da minha mãe. Na época renderam muitas broncas, mas hoje ela guarda estes cadernos rabiscados como relíquia da minha infância.

Mais tarde encontrei no sótão um antigo livro de poesias do Castro Alves, obra completa. A menina de seus dez anos não entendia um terço do que lia naquelas páginas e ficava horas procurando o significado no dicionário. Depois reescrevia tudo com as palavras que compreendia.

Mas e as rimas?

Não importavam, o objetivo naquele momento era entender a mensagem do autor.

Depois vieram as recomendações de leitura da série Vagalume, foi quando conheci Marcos Rey e Pedro Bandeira. Agora não me contentava em apenas ler, tinha que eu mesma criar as minhas histórias mirabolantes e foi o que fiz aos doze anos.

Há pouco tempo encontrei todos os diários desta época e os originais do meu primeiro “romance”, se é que se pode chamar assim uma história fantasiosa de criança. Foi maravilhoso relembrar alguns momentos, pessoas que inspiraram meus primeiros personagens, links há muito esquecidos.

Um exercício saudável para reafirmar o poder da escrita, principalmente para os que também escrevem.

Por quê?

Mesmo após anos e anos, relendo os diários recordei cenas e momentos como se os tivesse revivido na mesma proporção.

Hoje os sentimentos expostos nos textos são diferentes, não mais verdadeiramente inocentes, sempre acompanhados de uma pitada de malícia ou alguma idéia implícita.

É o preço da vivência, do tempo que inexoravelmente passa, substituindo a ingenuidade pela palavra certa, afiada e premeditada para causar algum sentimento em quem lê.

Muitos chamam de técnica, eu de amadurecimento literário.

E assim, continuo exercitando, mesmo com textos que jamais serão lidos por outros olhos além dos meus. São textos que daqui a alguns anos proporcionarão outros momentos nostálgicos. E assim sucessivamente.





Arrebatador!

12 02 2010

“O corpo tem seu próprio modo de saber, um conhecimento que tem pouco a ver com lógica, e muito a ver com verdade; pouco a ver com controle, e muito a ver com aceitação, pouco a ver com divisão e análise e muito a ver com união”.

Marilyn Sewell

Hoje eu quero um corpo. Nada de inteligência, QI elevado ou papos sobre neurociência avançada. Hoje será apenas anatomia.

Fútil? Não sei. Visceral seria mais adequado, muito mais Baco do que Hermes. Corpo sobrepondo mente, sensações prevalecendo sobre valores.

Quero um coração pulsando acelerado, não de paixão e sim de completo êxtase. E que seja seguido de olhos sagazes, não para mirarem o desejo, mas para enxergarem além.

A vontade de hoje é encontrar Zeus ao modo de Baco, trilhando o caminho frenético da loucura. Pegarei emprestado o seu estado de espírito tresloucado para compreender as mais profundas verdades da essência humana.

Talvez desta forma eu consiga amainar a chama que arde no peito e sacie a sede de liberdade, que faz de mim uma eterna buscadora.

A ordem de hoje é equilibrar as horas celibatárias com momentos de completa luxúria, assumindo o papel de bacante que me cabe e concedendo a um escolhido a oportunidade de comungar com os Deuses através do santuário do meu corpo.

Através dos ritos dos antigos mistérios quero provar a sensação de morte e encontrar a essência divina, transcender os limites da mente consciente. Neste momento nada de harpas ou anjinhos flutuando sobre nuvens, quero ouvir o som de tambores!

E quando retornar desta jornada, desejo ter a sensação de que o som dos tambores nada mais eram do que as batidas do meu coração.

A juventude de Baco

” The Youth of Bacchus” (1884), de William Adolphe Bouguereau.





Abecedário de Promessas

22 12 2009

2009 se preparando para dizer “FUI!”. Nestes derradeiros dias do ano muitas pessoas refletem sobre o ciclo que se completa e fazem o balanço do famoso “Foi Bom”, “Foi Ruim”.

Eu também não escapo destas reflexões e posso dizer que, de um modo geral, 2009 foi um ano excelente, onde conquistei muitas coisas, a maioria de forma inesperada, o que foi ainda melhor.

E prá 2010, seguindo a linha da minha religião (A vida é uma festa!) planejei algumas ações, são elas:

Amar! Não apenas pessoas, amigos, mas também projetos, livros, lugares, guloseimas…

Beber! Porque eu também sou filha de Deus!

Celebrar! Vitórias, aprendizados, conquistas, a sexta-feira…

Dançar! Muito, bastante, demais.

Escrever! Muito, bastante, demais.

Fotografar! Todos os momentos que merecem ser eternizados.

Gastar! Conscientemente.

Humanizar! O mundo precisa disso.

Inventar! Novas formas de se divertir e ser feliz.

Jejuar! Salada de jiló ou quiabo no almoço? Vamos jejuar!

Kibon! Sorvete, sorvete, sorvete!

Ler! Muito mesmo, nunca é demais.

Música! Adoro!

Nadar! Aprendi, mas tenho que aperfeiçoar.

Ouvir! O que vale a pena ser ouvido.

Priorizar! A família, as verdadeiras amizades, os projetos pessoais.

Questionar! Jamais me conformar com o óbvio, buscar respostas concretas.

Rir! De tudo e de todos, contudo consciente da hora de ser séria.

Sacudir! A poeira e seguir em frente.

Tolerar! Algumas criaturinhas, modelos de como NÃO levar a vida.

Universo! Continue sempre conspirando a meu favor!

Viajar! Prá perto, prá longe, em pensamento…

Www! Ficará rapidinha lá em casa, prometo!

Xeque-mate! Em tudo o que não servir mais, considere aqui projetos, fatos e crenças.

Yoga! Tudo de bom!

Zuar! Os que são muito críticos ou negativistas, xô! Sai prá lá!

E vambora prá 2010! 😉





Feliz Dia dos Mortos!

2 11 2008

Finados, mortos, falecidos, desintegrados, espíritos… Quem são estes que não mais existem e que ainda assim mexem com o pensamento de muitos de nós?

O que fazer quando as lágrimas já não são mais suficientes para afastar o pensamento que insiste em navegar em lembranças nem sempre agradáveis? É difícil olhar para si mesmo e se dar conta da necrópole que se formou.

Muito se engana quem acredita apenas na morte física, pois muitas são as suas formas, há diversas maneiras de nos anularmos e jogarmos a toalha no chão.

Alguns casos são temporários e logo nos damos conta do quanto estamos desistindo fácil demais dos nossos objetivos. Mas nem sempre é assim.

Por exemplo, a dona de casa que abdicou dos seus sonhos para criar os filhos, vivendo para eles e se esquecendo de si mesma. Ou mesmo a noiva ou noivo que, abandonados no altar, se fecharam para todas as outras possibilidades de felicidade. Muitos são os exemplos, muitas são as histórias e os motivos, mas ainda assim nada que justifique se conformar.

Será que aquele que no auge do seu egoísmo, achou que não precisava de mais ninguém e se isolou de todos, pode gritar aos quatro ventos que vive em paz consigo mesmo?

Vivemos para aprender a cada dia com os nossos acertos e com os nossos erros, para compartilhar, amar, sonhar… Quem está fechado para estas impressões, está fechado para a vida e, portanto, morto.

Para estes só tenho a desejar não um bom feriado, prolongado na maioria das vezes, mas um feliz dia dos mortos.





Pronome

1 11 2008

Eu:

Duas em uma. Ora doce, ora amarga, ora infame, ora benevolente, apaixonada! Sei o gosto do mel e do fel. Totalmente passional, guiada pela intuição e pelo olhar daquele que despertou algo dentro de mim. Algo que até então eu desconhecia.

Tu:

Um sonho que se tornou real. Aquele que era aguardado, há muito idealizado, com todas as qualidades e defeitos e um leve toque sobrenatural. Você existe! É real, mas ainda inatingível, pois há uma fortaleza te guardando.

Ela:

Dedicada guerreira, sabe de suas potencialidades e da paixão que defende. Convive com aquele que me seduz, mas ainda desconhece o que se passa em seu coração e principalmente em sua alma.

Nós:

Descobertos um pelo outro. Sabemos o que está acontecendo e justamente por não desconhecer a dimensão do que sentimos, agimos com diplomacia, pois não queremos magoar ninguém.

Vós:

Uma incógnita. Seria pretensão citar qualquer opinião sobre algo que desconheço. Prefiro assim, é menos dolorido.

Eles:

Talvez não tenham percebido. Somos dissimulados. Mas é questão de tempo até notarem o brilho em meu olhar a te fitar ou você exageradamente preocupado com tudo o que me cerca. Sempre criando mil e uma desculpas para ficarmos próximos um do outro. Talvez não compreendam, talvez nos julguem mal ou ainda dissimulem nada perceber.





SubESTIMAR

1 11 2008

Não me subestime porque sou uma mulher. Não me olhe com desdém porque não tenho tanta força física, não cuspo no chão e não falo alto, você não é melhor do que eu.

Eu posso te superar e para isso não preciso usar a força, prometo nem mesmo alterar o tom da minha voz, que para você continuará a ser sempre um sussurro.

Até quando a intolerância prevalecerá e você se considerará superior, quando, no entanto precisamos um do outro?

Você é tão forte… Mas chora como um menino quando seus projetos de vida não saem ao seu modo.

Você é tão seguro, mas se desespera quando percebe o meu olhar parando em outro.

Por que me subestima tanto?

Você não sente a natureza se manifestando em seu corpo uma vez a cada mês. Não sente a vida e a morte em um ciclo interminável, que me dilacera, me tortura e me fortalece a cada lua cheia que se apresenta no céu. Não sente a dor que me divide ao meio, me faz enlouquecer e que se esvai por entre o meu ventre me tornando energicamente mais forte, pronta para gerar vida e transformar o mundo. O seu mundo…

Você tem tantos conhecimentos, fala com desenvoltura sobre tantos assuntos, mas será que toda a sua cultura não é capaz de fazê-lo entender?

Tem certeza de que está no controle?

Por que presta tanta atenção aos que me rodeiam e sucumbem aos meus encantos? Eles o ferem de algum modo?

Não quero que sinta ciúmes. Quero que compreenda que posso ser tão livre quanto você, que tenho as mesmas possibilidades de aventuras e isso não me torna melhor ou pior, apenas igual a você.

Você escuta a minha voz a cantarolar uma canção e não se dá conta de que a letra fala exatamente dos meus sentimentos por aquele que, mesmo moldado pelo machismo existente em abundância na sociedade, despertou com a sua força de espírito a minha curiosidade feminina.

Será que ainda assim não sente a sutileza das minhas manipulações?

Não subestime a minha inteligência, eu sei o que fazer. Por mais delicada que eu possa parecer, enxergo com o coração e jamais me engano.

Você será meu, é inevitável. Eu o escolhi…





Pequenos Sinais

29 09 2008

A vida é feita de pequenos sinais.

(Ernest Hemingway)

Um amigo já havia me falado a respeito e eu me interessei, mas chegando em casa após alguns bons goles de vinho quem disse que eu me lembrava do nome do autor?

Passou.

Indo para o trabalho e tentando conter o tédio da segunda-feira, reparei em um anuncio de livros que logo me chamou a atenção. E não é que era o tal livro que meu amigo havia me indicado tempos atrás?

Memorizei o hotsite da coleção para dar uma olhada e percebi que não é apenas um livro e sim oito!

E apesar do título que lembra mitologia grega, a saga gira em torno da vida de Jesus de Nazaré, enfatizando seu lado humano sem deixar de lado sua existência espiritual.

Nunca li nada do J.J Benítez, mas estou prevendo que em breve lerei ao menos o primeiro livro da saga, por dois motivos: o primeiro é que embora eu não seja católica, a história de Jesus e os mistérios acerca de sua divindade sempre atiçaram a minha curiosidade e o segundo é porque gosto de ler mesmo e sempre invento desculpas prá isso.

Ficou curioso(a)?

Segue o link do hotsite: http://euleiocavalodetroia.com.br





O Bronze imaginário

13 07 2008

Quando cheguei ao aeroporto muitos nos aguardavam, estavam ansiosos para receber todos aqueles que participariam da importante exposição. Somente as melhores obras daquele famoso escultor seriam expostas, e eu estava orgulhosa por participar de um evento tão badalado.

O transporte das peças para o museu foi demorado, calor intenso, muito trânsito e eu me sentindo mal por ter que fazer o trajeto frente a frente com um arqueiro de bronze a me fitar, e com sua flecha apontada para os meus pés. Por um instante achei graça deste meu mal estar, totalmente imaginário, ele nada poderia fazer para me ferir.

Finalmente chegamos ao museu, que já contava com mais pessoas especialmente selecionadas para cuidar do bem estar daqueles que dariam sentido à toda aquela logística de transporte. O dia se foi e eu aguardei pacientemente que o sol novamente se elevasse no horizonte, para então observar atentamente a fisionomia das pessoas que visitariam a exposição. Para mim é gratificante ver as mais diversas reações nos rostos que fitam as telas e as esculturas. Uns se admiram com os contornos perfeitos esculpidos artisticamente no bronze, outros se emocionam com a expressão facial das minhas companheiras e se põem a pensar intimamente em mil coisas. Eu as chamo de companheiras porque as vejo assim, como verdadeiras irmãs, pois junto delas viajei pelo mundo, fazendo parte da rotina de muitas exposições. Mas esta exposição em especial teve um sabor diferenciado para mim.

Aconteceu no terceiro dia em que o museu abriu suas portas para os visitantes. Uma garota dos seus oito anos se aproximou timidamente de mim, mas de início não reparei muito nela, pois não imaginava que em mim houvesse qualquer coisa que despertasse a curiosidade infantil. Mas os minutos corriam velozmente e ela não parava de me examinar, confesso que me senti incomodada, principalmente quando em uma olhadela, reparei que ela imitava a minha postura. Seus pais vieram ao seu encalço e eu não entendi porque ficaram com os olhos rasos de lágrimas. Por fim ouvi a mãe confessar baixinho para o marido que sentia um nó na garganta só de pensar que a pequena não sobreviveria a tempo de se tornar a primeira bailarina do teatro municipal. Tinha uma doença grave e sabia disso, por isso era tão silenciosa.

Depois daquela tarde comecei a imaginar as motivações que levam os escultores a criar esculturas tão perfeitas, tão reais. Se eu tivesse o dom de criar algo, faria exatamente como o meu mestre fez, criaria uma bailarina com uma linda saia em musselina e as longas madeixas presas em uma trança. Uma peça que inspirasse e ao mesmo tempo enchesse de esperança os corações daqueles que soubessem ver vida em uma escultura de bronze como eu.

Jovem Dançarina